29/02/2012

Carnaval sem cordas e novo circuito ganham força para 2013

Desde os anos 1980 símbolo da privatização do Carnaval de Salvador, as cordas começaram gradativamente a ir ao chão nas duas últimas edições da folia. Atrações famosas, como Armandinho, Moraes Moreira, Luiz Caldas, Carlinhos Brown e Daniela Mercury já traziam antes o folião pipoca atrás dos trios, mas foi no ano passado que Saulo Fernandes, da banda e bloco Eva, provocou o que parece ser uma reviravolta agora, quando aboliu o cordão de isolamento na terça-feira de Carnaval de 2011, puxando 20 mil pessoas. De um, os adeptos dos sem-cordas passaram a dez este ano, segundo informou o presidente da Empresa de Turismo de Salvador (Saltur), Cláudio Tinoco.


Entres os novos adeptos da tendência, destaque para Chiclete com Banana, Tuca Fernandes e Jammil. Já para 2013, outros artistas caros à indústria carnavalesca, como Asa de Águia, Claudia Leitte, Harmonia do Samba e Psirico, anunciaram o desejo de prestigiar a pipoca. O abaixar das cordas é, contudo, mínimo. Limita-se a um dia dos seis de festa, por atração.


“É uma demagogia. Durante décadas esses artistas se serviram desse modelo e enriqueceram com ele. Se o Carnaval pode ter um dia sem corda, porque não pode todos? Não é uma boa pergunta? questiona o cantor e compositor Walter Queiroz, crítico contumaz das cordas.


Divergências - É, sim, uma boa pergunta, e as respostas ainda são divergentes. Membro da Associação de Camarotes da Bahia, o proprietário do camarote Só Você (Ondina), Armando Brasil , admite que “como negócio seria melhor sem corda, porque o maior  gasto dos blocos (fora quando há grandes atrações)  é com a segurança”, ou seja, cordeiros e seus coordenadores.  “Há muito tempo o camarote é mais lucrativo”, completa.
Por outro lado, o presidente do Conselho Municipal do Carnaval (Comcar), Fernando Boulhosa, destaca que, embora haja a tendência sem-cordas, é preciso “entender que isso deve ser bancado por alguém”, seja “iniciativa privada, prefeitura ou governo”.
O diretor da Central do Carnaval (congrega 27 blocos e 11 camarotes), Joaquim Nery, também condiciona o êxito do fenômeno ao patrocínio. “Foi o investimento da Ambev que criou um dia com Chiclete e Tuca. No momento em que você tem quem financie é interessante”, avaliou.


Para o pesquisador do Carnaval e professor da Ufba, Paulo Miguez, abaixar as cordas não resolve. “Não é só eliminar as cordas, é regulá-las. O carro de apoio não tem nada a ver com o Carnaval,  ocupa espaço público”.
Novo espaço -  A necessidade da implementação de um quarto circuito do Carnaval de Salvador é consenso entre pesquisadores e atores do setor privado e público da festa. Falta fechar onde, quando e como ele se dará.
São três aspectos que passarão a ser discutidos pelo Conselho Municipal do Carnaval (Concar), a partir do próximo dia 13, informou nesta sábado o presidente do órgão, Fernando Boulhosa.
A região do Aeroclube, na Boca do Rio, aparece como a menina dos olhos do carnavalesco e foi bem cogitada pelo diretor da Central do Carnaval, Joaquim Nery. “O quarto circuito é algo que temos discutido há muito anos. O Aeroclube é muito interessante pela capacidade de absorção do público”, disse.


Segundo Boulhosa,  existe um projeto pronto, inclusive apresentado ao governo do Estado e à prefeitura, que prevê um circuito, onde o público, de forma gratuita, teria direito a dois terços e o bloco a um terço do espaço.
“O quarto circuito fatalmente vai ocorrer. O Aeroclube é um modelo de circuito ideal, onde o público é a grande atração”, defendeu Boulhosa.
O presidente da Empresa de Turismo de Salvador (Saltur), Cláudio Tinoco, afirmou que conhece a proposta, mas que, oficialmente, ela nunca foi discutida ou cogitada.
No governo municipal, tem se falado mais de um quarto circuito na Cidade Baixa. Na última quarta-feira, 23, o vice-prefeito Edvaldo Brito citou a tentativa da prefeitura em expandir a festa para a região, como consequência da revitalização da Praça Castro Alves, meta que vem aos poucos sendo alcançada.


Fonte: Atarde
* Todas as informações publicadas nesta página estão sujeitas a alterações sem aviso prévio, seja em função da mudança de valores, parcelamento ou qualquer um dos itens que compõem o produto. O conteúdo e valor será confirmado no ato da compra. Ofertas válidas por tempo limitado ou enquanto houver disponibilidade para os valores anunciados. Imagens e vídeos meramente ilustrativos. Reservamo-nos o direito de corrigir possíveis erros de digitação.
x Central de Atendimento Chat Online
Dúvidas? Clique aqui ou faça sua pergunta abaixo e fale agora com nossos atendentes.
Central de Atendimento De Segunda à Sexta das 9h às 19h Sábado das 09h às 13h
Salvador-BA (71) 2132-4485 São Paulo-SP (11) 3003-0671 Rio de Janeiro-RJ (21) 3003-0671 Belo Horizonte-MG (31) 3003-0671 Brasília-DF (61) 3003-0671 Recife-PE (81) 3003-0671 Fortaleza-CE (85) 3003-0671 Vitória-ES (27) 3003-0671 Outras 3003-0671